Total de visualizações de página

segunda-feira, 27 de agosto de 2012

Gato, coração, parede


Quando o irmão chegou a casa naquela noite de outono trazia consigo uma caixa de papelão que tinha um filhote de gato dentro.
-Cuida dele.
 Foi o que disse à irmã, dois anos mais nova. Aquele pedido, ou ordem, tinha o mesmo efeito de um contrato de doação: o irmão havia encontrado o gato abandonado em um terreno baldio e tivera a ideia de salvá-lo daquela complicada situação, mas não teria paciência para cuidados, que exigiriam muita dedicação e amor. Mas todos esses requisitos a irmã tinha de sobra, ainda mais que nos últimos meses vinha sofrendo de solidão como nunca havia sofrido antes. Ela e a família haviam se mudado recentemente para aquele bairro feio, para uma casa velha e ela ainda não tinha feito amigos. E para deixar tudo mais difícil o pai não voltava para a casa há semanas e a mãe raramente saía do quarto, pois estava deprimida.
Então a menina recebeu o filhote de gato com os mesmos olhos agradecidos de um morto de fome diante do prato de sopa.
Levou a caixa com o animalzinho dentro para o banheiro. O bicho seria criado atrás da porta, para que a mãe não visse.
Então a menina viveu uma semana muito feliz, depois de dias arrastados de tristeza. Alimentava o gato. O pegava no colo. Acariciava seu pelo fofo. Deliciava-se ao vê-lo, na caixinha, estapeando coisas invisíveis no ar.
A menina não saía da porta do banheiro
E o gatinho ronronava, com doçura, retribuindo o carinho de sua nova dona.
E assim os dias foram passando.  A mãe continuava doente, mas a menina parecia quase curada de sua solidão.
Numa noite o pai apareceu, vindo das profundezas de sua ausência.
A menina sentiu um aperto no peito: soube de tal presença opressiva por causa de um bater de portas e do choro da mãe, provocado por aquele inesperado retorno.
Os passos do homem foram ficando cada vez mais sonoros: ele se aproximava e ela se encolhia de medo. O pai apareceu no corredor e eles se olharam, silenciosos. Ele tinha a expressão de um deus que quisesse devorar seus filhos.
Sem dizer nenhuma palavra ele avançou rumo à porta do banheiro, olhou para o gato com um misto de repugnância e ódio. Chegou perto da caixa, segurou o animal com a mão direita e o arremessou com força contra a parede.
 A menina fechou os olhos.
O barulho de coisa viva se quebrando foi tão triste, que a menina demorou a se dar conta do tinha acontecido. Ela ainda estava de olhos fechados quando o pai passou por ela resmungando algo que não dava para entender direito. 
O gato havia explodido?  Seus pedaços estariam espalhados pelos ralos e rodapés?
Lentamente ela abriu os olhos doloridos. Seu gatinho estava lá, num canto molhado. Não havia explodido, mas tinha ossos quebrados, articulações rompidas. Sangrava por dentro, como ela, que parecia ter acabado de levar um soco no estômago.
Era proibido chorar. A dor ficou corroendo seu interior, como um ácido, um grito querendo liberdade.
 Ela puxou os próprios cabelos, arranhou a própria pele, vomitou.
Enquanto isso, das orelhas e do nariz do gatinho, começavam a sair fios grossos de sangue.
Os ossos dela estavam quebrados também. 
O pai havia jogado era o coração dela na parede.
Ficou olhando a morte chegar devagar para o bichinho agonizante.
Ela perguntava, baixinho, para Deus, em quem ainda acreditava naquela época: “por que, se ele não tinha culpa de nada, por que, se eu também não tenho”?
Deus nunca respondeu. E para deixar tudo ainda mais difícil, soprou sobre a casa inteira um vento frio e  carregado de ausências.



Desejo Heroico


Foi de relance, quando atravessava uma rua movimentada do centro, que ele avistou a capa de um DVD erótico. Ergueu os olhos, desconcertado. Pediu perdão por ter pecado, ainda que seu olhar tivesse durado apenas num instante.
Mesmo nos quarteirões seguintes, a caminho do restaurante em que almoçava todos os dias, ele ainda pensava na imagem que ficara gravada em sua mente. Duas moças, uma morena e outra loira, ambas nuas e de costas, exibindo toda a fartura de suas nádegas, com as marcas deixadas pelos minúsculos biquínis definindo os contornos de suas peles bronzeadas. Balançou cabeça com força, como se assim conseguisse turvar essa imagem única, imperiosa.
Ergueu os olhos mais uma vez, enquanto seus lábios moviam-se numa prece inaudível. Não conseguia entender o que acontecia em seu interior. Nunca havia sentido o mínimo interesse nesses materiais duvidosos. Para ter sido atingido tão profundamente, no mínimo, já havia pecado e não se dera conta disso. E esse pecado oculto e ignorado seria conseqüência de seu afastamento espiritual. Desesperado, passou a tarde toda pelos cantos, no escritório onde trabalhava, em orações fervorosas que visavam purificar sua alma.
No caminho de volta para casa, em pé dentro do ônibus lotado, distraiu-se com o longo percurso e teve por fim alguns minutos sem ser assaltado pelas fantasias avassaladoras, ataques do demônio. Mas em casa, quando já tinha feito sua oração ao pé da cama, vestido com seu pijama, ele foi novamente invadido pelas mesmas imagens, sendo acompanhadas por um misto de expectativa, desejo e vergonha. Afastou novamente aquele turbilhão de pensamentos.
As imagens, contudo, não o abandonaram. Bastava passar perto da banca de jornais que seus olhos como que instintivamente buscavam a dupla exposta na capa do DVD. Para não alimentar a tentação, o jovem passou a evitar a banca, passando por outro caminho para chegar ao restaurante.
O desejo porém crescia cada vez mais intenso, as imagens cada vez mais vivas. Passava noites em claro mergulhado em fantasias, sempre no martírio de sentir-se a criatura mais suja do mundo. A culpa era então novamente encoberta por imagens da pele morena, bronzeada, das marcas dos biquínis fazendo um jogo de claro-escuro.
Até que em certa noite, quando ele pensou que iria enlouquecer, veio a resolução, clara como uma revelação divina, junto com uma expectativa infantil e por fim o sono reparador. Não havia mais imagens para torturá-lo, somente aquele silêncio que sucede a plena certeza. Quando a manhã chegou inexorável, a caminho para o trabalho, não foi mais assaltado por desejos irrefreáveis. Quem o visse até diria que seu rosto revelava uma maturidade marcante, de alguém que alcançara a sabedoria. Foi direto para a banca de jornais. Pediu logo o DVD erótico com simplicidade comedida, quase sereno. Recebeu o material, pagou e atravessou a rua olhando para o lado errado. O cobiçado DVD num instante escapou de suas mãos e um caminhão que passava no momento selou seu destino.

terça-feira, 21 de agosto de 2012

Funeral blue


Agora há pouco
quase vomitei
tudo
o que comi no jantar

É que entrei com tanta pressa
na noite
demasiado fria
descendo escadas
rumo à garagem.

Havia alguma coisa perdida
no porta-luvas.

E agora estou triste
como quem acaba de voltar de um funeral.

E implorei  aos ácidos
que estranhamente dissolviam meu coração
que não o maltratassem tanto;
que, em vez disso
roessem a massa azeda
que  subia
do estômago à garganta
como um elevador superlotado de obesos

Agora estou triste
como quem acaba de voltar de um funeral.

Não sei por que
às vezes caio de tão alto
se já conheço a dor
que é ter ossos partidos

  A noite
 (na qual entrei tão apressadamente)
 era vermelha
como se alguém houvesse esmagado morangos nas nuvens.

E eu estou triste
como quem acaba de voltar de um funeral

E depois de ter tentado trancar
a escuridão do lado de fora
e de nada ter encontrado no porta-luvas
um vento velho veio entrando
pelas fendas das janelas e fraturas
povoando toda a casa iluminada.

Chovia.

E eu estou triste
como quem acaba de voltar de um funeral.

Não sei por que
às vezes caio de tão alto,
eu que já conheço, tanto,
a dor de ter ossos partidos.

Ainda chove e finalmente os ácidos
ouviram meus clamores.
Os obesos se retiram um a um
de meu estômago, que aos poucos, se acalma.

Mas eu estou triste
como quem acaba de voltar de um funeral.

Não sei por que.
Ossos partidos.
Às vezes caio.
Eu que já conheço tanto!
A dor.

segunda-feira, 13 de agosto de 2012

Augusto


Talvez se alguém tivesse dito a ele que logo depois do casamento o príncipe havia calçado a bruxa madrasta com sapatos de ferro e feito a velha dançar sobre um braseiro até morrer, as coisas teriam sido diferentes. Talvez. E de qualquer forma, ninguém disse. Ficamos com a versão de Walt Disney e as pessoas tem medo de saber e mais ainda de dizer o que sabem.
Diante do “e viveram felizes por muitos e muitos anos” escrito debaixodos rostinhos redondos e harmoniosos de Branca de Neve e seu príncipe, Augusto só conseguiu dizer, baixinho e entredentes:
_Felizes... essa puta.
Olhou para os lados, como se procurasse alguém que fosse repreendê-lo pelo palavrão, mas como estava trancado no quarto, sozinho, ficou ali saboreando seu ódio.
Estava de castigo por causa de uma briga na escola. Não soube explicar direito nenhuma razão pra coisa começar, parece que ele e outro sujeito se esbarraram num corredor e muito naturalmente começaram a trocar chutes e socos. Mais tarde, os pais de ambos foram repreendidos pela direção. Ao contrário do que se ouve contar normalmente, nenhum deles tentou defender o próprio filho ou acusar o filho do outro. Os garotos estavam em igual situação física (tanto em tamanho, como em distribuição de hematomas) e a ausência de um motivo para a briga levou os dois adultos a manterem uma postura séria e levemente amedrontada diante do diretor. Na saída da escola trocaram olhares de compreensão. Sem que houvesse um pedido de explicações ou uma discussão ou qualquer outra coisa, o pai de Augusto o arrastou pelo braço desde que desceram do carro, passando pela entrada do prédio, elevador, corredor do décimo primeiro andar e apartamento. O empurrou quarto adentro, batendo a porta com muita força e trancando-a pelo lado de fora. A ideia do antigo castigo prisão, com restrição de liberdade, fazia pouco sentido quando os filhos possuem quartos equipados com tvs, computadores, livros e brinquedos, mas alguns pais não conseguiram dar pela coisa.
Sentindo o nariz inchado e dolorido por causa de um soco, Augusto havia pegado um livro qualquer (uma dessas edições baratas, que homens sorridentes oferecem nas salas de aula) e oestava folheando até chegar àquela estranha conclusão:
_Essa Branca de Neve era uma puta!
Seu tom de voz agora era um pouco mais confiante, mas mesmo assim ele olhou instintivamente para os lados, se bem que de um jeito mais provocador. A única outra presença viva ali era o canário, tão engaiolado quanto ele, debaixo da janela. Os olhos arregalados do bicho o encorajavam.
_Puta! Devia dar pra todos esses anões de merda, essa vadia. E essa bichona de príncipe devia ser um corno!
Sua voz soava clara e ele sentia seu corpo dolorido, mas excitado. Cada palavrão fazia com que se sentisse vivo. O ódio o fazia se sentir vivo. A dor e o castigo aumentavam o ódio e ele passava a se reconhecer através da dor. Além disso, Branca de Neve agora o deixava num estado colérico, alterado, e enquanto o livro ficou jogado em cima da cama, aberto na última página, ele andava de um lado para o outro, repetindo:
_Puta... puta... puta... puta...
Ligou seu computador e começou a baixar um filme pornográfico. Continuava a repetir a palavra “puta” enquanto tirava a roupa e procurava por uma camisinha na mochila.
Nunca tinha feito sexo. Nunca esteve na presença de uma mulher nua (além da mãe, em raríssimas exceções constrangedoras). Havia beijado uma prima, uma vez, nas férias do ano passado e só. Mas sempre tinha camisinhas à mão, por zelo da mãe, da escola, das equipes de colônia de férias. Desenvolveu uma tara em se masturbar “protegido”.
Sentou-se a frente do computador e começou a assistir o filme. Gozou em menos de um minuto, jogou a camisinha suja no chão do quarto e recomeçou, furiosamente. Na tela um casal de americanos fazia sexo com violência e trocando insultos. Augusto gemia baixinho “puta...” enquanto batia punheta. Antes do segundo orgasmo teve uma ideia. Levantou-se, fazendo um esforço danado pra se segurar, e correu até sua cama. Gozou em cima do livro aberto, sujando toda a cenado “felizes pra sempre”. Ficou um tempo com seu pequeno pau em cima do livro, esfregando-o de leve na ilustração daquela Branca de Neve de cabelos curtinhos, bem Disney, de rosto colado ao do príncipe louro de bochechas rosadas. Os gritos do casal no computador tiraram Augusto desse estranho transe e ele se levantou pra desligar a máquina.
 Imaginando que passaria o dia todo trancado, deitou-se em cima do livro sujo e dormiu sem roupas, ouvindo o canário cantar.

quinta-feira, 9 de agosto de 2012

Madeleine


                                                                        I

            Alguma coisa me acordou quando ainda estava escuro. Talvez tenha sido o ruído de ovos de pombos se quebrando no telhado, bem acima da minha cabeça. Ou terá sido o arrulhar  das aves recém - nascidas, amedrontadas por terem vindo à luz em plena escuridão?
             Alguma coisa me acordou quando ainda estava escuro.

          Fiquei meio confusa no começo, como se tivesse acabado de me libertar das gosmentas cascas de um ovo aberto antes da hora, ou como se tivesse vindo voando de longe, muito longe e pousado em solo tenebroso, frio e amorfo.
       Mas foi no começo, apenas. Depois reconheci, aos poucos, a mobília do quarto, suas silhuetas familiares.
           No telhado, ao gemido fino e assustado dos pombos bebês veio se juntar uma outra música, a das vozes graves dos pombos adultos; vozes que na linguagem comum a essas aves deve ser uma espécie de cantiga de fazer dormir os pequenos, pois tal melodia se sobrepôs ao aflitivo choro dos filhotes, que finalmente se calaram.
          Foi então que vi uma luz vermelha num dos cantos do quarto. Não era nada demais: nenhuma visita de seres extra-terrenos, nenhuma atividade paranormal se desenrolava na casa enquanto eu dormia e não era, definitivamente, nenhum resíduo ectoplasmático de algum ser inominável.
          Era uma luz familiar, como os contornos dos móveis.
          Era apenas a micro-lâmpada do estabilizador de tensão.
      Tinha ficado acesa a noite toda e seu brilho solitário, naquela madrugada sem lua, num quarto de cortinas fechadas acabou me transportando, sem que eu quisesse, para outras noites de breu, quando eu , criança, precisava atravessar a casa inteira, no escuro, para ir, sozinha, ao banheiro.
          Era proibido acender as luzes e, por isso, aquilo era uma aventura épica.
        E, como em um rito, a cada travessia noturna havia o pai, mítico, fumando no escuro. Na ausência quase total de luz, a única fonte de claridade era a ponta em brasa do cigarro aceso, tão semelhante à pequena lâmpada vermelha que me  esqueci de apagar ontem, quando me deitei.
    A ponta em brasa do cigarro aceso funcionava como um farol marítimo para a minha momentânea cegueira:  é que o pai fumava silencioso no sofá da sala e o móvel ficava próximo à porta da cozinha que, por sua vez, dava acesso ao banheiro.

    O pai fumava, fumava muito e era como se tragasse a noite  para dentro de si, porque era só eu passar por ele que, logo depois, a noite virava dia, o escuro virava fumaça e meu medo milagrosamente se transformava em cinzas.

                                                                      II

    O pai não fuma mais. Fumou tanto a noite que um dia um pedaço dela nunca mais saiu de dentro do corpo dele. O pedaço decidiu ficar lá escurecendo seu sangue, até que tudo o que fazia aquela vida funcionar fosse, lentamente, perdendo a umidade. Até secar. Para sempre.
    Alguma coisa me acordou quando ainda estava escuro.

segunda-feira, 6 de agosto de 2012

Promessa

É só mais uma manhã de Primaveras decapitadas
-Eu pensava.
Um a um, os matizes haviam se apagado
na superfície insólita de um filme antigo.

( Meu amor, o Passado é preto-e-branco, acaso percebeste?
A absurda farda do nazista;
O primeiro automóvel;
As olheiras de Proust;
O vestido esvoaçante da atriz...)

É só mais uma manhã de Primaveras decapitadas
-Eu pensava.
E já me apaziguava a promessa da lenta morte das cores.

Mas eu não sabia que Primaveras
tinham veias e sangue, como as mulheres.

E eu preferia, eu juro,
a tranquilidade eterna do Cinza
a essas tristes poças vermelhas
no meu Jardim devastado.


                             Poema publicado anteriormente em calidapoesia.blogspot.com.br

domingo, 5 de agosto de 2012

Sobre culpas e profetas...


Eu havia acabado de sair do trabalho. Sorte o trajeto até minha casa precisar de um ônibus. E sentado! Sorte? Mesmo? Aproveito essas longas horas para adiantar minhas leituras. Hoje o tempo é tão escasso que só mesmo em um lotação sacolejante que temos a oportunidade de uma outra viagem. E olha que às vezes eu até arrisco leituras malabaristas, usando para pendurar a mochila o mesmo braço que segura o livro.
E justo quando estava mais entretido em uma profana viagem literária, senta ao meu lado um rapaz. Roupas simples, bermuda, barba, jeito tranquilo e pacato. Entre suas mãos, uma Bíblia. Meus olhos escapam furtivamente para as páginas abertas, pois o rapaz não perde tempo para também aproveitar sua oportunidade de devaneio. Um título enorme parece alardear a este leitor clandestino, como uma propaganda: Malaquias. As primeiras palavras de um Profeta Menor. O Último Profeta.
Meus olhos retornam para meu próprio livro. Mas não estou mais sozinho em meu devaneio. Segue-me a culpa. Em minha leitura, o personagem visita um puteiro, reclama do bafo da puta. Enquanto meu companheiro de viagem passa um tempo com Malaquias.
De repente ele tenta chamar minha atenção, tocando com seus dedos meu ombro direito. Eu me viro para ele, em resposta. "Estou te incomodando?" pergunta ele, referindo-se ao seu ombro, que encosta em mim. Respondi que não, de certa maneira perplexo. Impossível estranhos não se encostarem em um lotação metropolitano. Ou seria outro o incômodo?
Novamente divago. Lembro-me da música que escuto com meu fone de ouvido. Uma banda de heavy metal, com seus temas polêmicos, profanos. Sim, estou profundamente incomodado. Comigo mesmo. Com a culpa que paralisa meus braços, que não me deixa dizer tudo o que fica apertado no peito. A mesma culpa que nasceu com este homem, que fazia o menino de sete anos orar pedindo a Deus que não o deixasse morrer dormindo, pois tinha medo de despertar no Inferno.
O rapaz em alguns momentos tentava puxar conversa. Percebi que eu mesmo, de tão incomodado, não dava muito papo. Educado e dócil, ele fazia perguntas das quais sabia as respostas como, por exemplo, o nome da avenida pela qual passávamos. Enquanto eu me perguntava se ele tentaria me evangelizar. Evangelizar. Outra demanda da culpa. Não evangelizar é deixar o outro perder-se. E permitir a perdição do outro é invocar sua própria perdição. Assim dizia Ezequiel. No caso, um Profeta Maior.
E toda essa culpa atravessava minha mente, enquanto eu me perguntava a real intenção do desconhecido jovem. No final, ele não queria me evangelizar. Parecia querer uma palavra de consolo, pois sua vida não estava fácil. Queria vender dois vales-transportes. Havia perdido o emprego e os documentos, inclusive os papéis do Seguro-Desemprego. Ele lamentava ter perdido o emprego de porteiro. Queria o que fosse possível, faxineiro, zelador, servente. Enquanto eu me preocupava com sua inconveniência. A culpa é um veneno compulsório. 
Não sei o que poderia ter feito por ele. Quem sabe ter conseguido seus dados para indicá-lo a algum conhecido que pudesse oferecer a ele uma oportunidade. Ou mesmo poderia ter dito: Deus irá guiar seus passos, ajudar você a encontrar um bom emprego. Afinal, acredito em Deus. Mas vale a pena acreditar na culpa?

Publicado anteriormente em http://oguardiao.blogspot.com/